Prelúdio do Fim: Parte I

por Lucas Patricio

O blog vai acabar. Vocês já escutaram no GoLuckast #35 e viram a projeção do futuro de cada GoLuckeiro. Agora é hora de encarar a realidade de perto. Para fazer uma última reta final, vamos re-lançar alguns textos publicados no blog que fizeram bastante sucesso por aqui.

Hoje vamos conferir um dos grandes campeões de audiência do GoLuck: a análise de Pokémon Diamond e Pearl. Postado no dia 10 de junho de 2007, essa foi uma das resenhas com melhor recepção do blog.

Além de ser um prelúdio de algo que ajudaria a entrar na NW um dia, essa matéria ainda nos rende boas visualizações por dia. Quem ainda não leu, leia. Quem já leu, leia. Aproveitem, está acabando…

Portátil novo, Pokémons novos

Pokémon continua com o mesmo objetivo de sempre: capturar os monstrinhos, treiná-los e vencer todos os oito lideres de ginásio para poder ganhar as insignas que dão acesso a liga Pokémon, que deve ser vencida para seu personagem ser o melhor treinador de todos. Pelo menos, resumidamente é quase isso.

Primeira coisa básica nessa nova versão são os 106 novos monstrinhos. Eu avistei todos eles na minha Pokédex, e não são nada além do esperado. Pidgeys genéricos, Ratatas genéricos, mais trios de Pokémons lendários e etc. Existem alguns bem bacanas como o Shellos, que possui duas formas: a do Leste e a do Oeste. Falando em formas, agora as formas femininas e masculinas possuem desenhos diferenciados. O Pikachu macho, por exemplo, tem o rabo pontudo, enquanto o feminino tem o rabo mais arredondado.

Batalhas em duplas continuam bem divertidas.

O trio inicial é bem bacana. Não é o melhor, mas pelo menos me agradou mais que o trio das versões Ruby/Saphire. Eu consegui pegar os três (já conto como!) e evoluí-los até as formas finais. O Torterra(grass/ground)) acabou me deixando um pouco desapontado, pois pra virar um Venosaur é só trocar a arvore das costas dele por uma flor. O Infernape(fire/fight)) é bacana, mas parece um urangutango de circo. O melhor então é o Empoleon(water/steel), que além de ter stats mais altos, ainda é bem mais bonitão.

Novas Tecnologias

Os gráficos saíram do 2D basicão de sempre e chegaram a um 2D meio 3D basicão. Muita gente reclamou dos visuais não terem mudados tanto, mas eu acho que foi ótimo ter ficado assim. Afinal de contas, é um padrão de estilo da série. Quem quer gráficos 3D, compra o “Pokémon Stadium” do videogame de mesa da geração do portátil. Neste caso, o Pokémon Battle Revolution, de Wii.

A jogabilidade ganhou muito com a possibilidade de ter duas telas, e uma sensível ao toque. É nessas horas que eu penso que existem séries que só dariam certo na Nintendo. Imagine um Pokémon pra PSP, por exemplo, o que importaria o tamanho da tela e melhor hardware? Talvez gráficos mais legais…Mas pra quem é fã da série, sabe o quanto a série ganhou com o DS.

A tela sensível do portátil tem funcionalidades muito bem implantadas. A primeira e mais utilizável é nas batalhas. Os golpes dos Pokémons ficam em grandes “botões”, idéias para se apertar utilizando a própria mão. Isso facilita muito a visualização e a agilidade das partidas, além de ser charmoso.

Esse contador serve para contar os passos. Sim, esse é útil!

Outra utilidade bacaníssima é o Pokémon Watch, ou Pokétch. Isso nada mais é que um relógio com 25 funções diferentes que podem ser utilizadas através da touch screen. As funções no inicio são bem restritas, e você vai habilitando novas conforme avança na aventura. Existem funções como relógios de pulso e digital (para pessoas que não se dão bem co ponteiros, como eu!), radares de itens e de Pokémons. Existem até mesmo umas funções bem estranhas, como um “simulador” de cara ou coroa ainda um simulador de roleta de utilidade desconhecida!! É,  insano.

Fazer bolinhos para deixar seus Pokémons prontos para os famosos concursos de beleza/inteligência/etc  também ficou mais legal. Com a Stylus você mexe uma massa preparada com berryes (presentes em peso nessa versão, com regador mais ágil). Você pode preparar os bolinhos com amigos, como aconteceu na ultima geração da série. Ainda se pode colocar roupas e acessórios no seu Pokémon.Nada demais, mas cumpre com o objetivo: um minigame simples e com propósito bem válido dentro da mecânica.

As batalhas ficaram muito mais intuitivas com a ajuda da touch screen

Mas a graaaande novidade da touch screen é o modo underground. Não, não é nada relativo a carros tunados ou hip hop. O sistema underground é uma idéia praticamente genial da Game Freak para uinir touch screen e jogatna multiplayer.

O modo undergound é um mapa gigante que você acessa através de um item (pego no inicio do jogo) e que permite que você encontre amigos via wireless e brinque de rouba-bandeira e cave buracos atrás de fósseis e pedras preciosas que rendem alguns itens. É meio difícil de explicar, mas acreditem: a idéia é muito interessante!

Nova tecnologia, novos desafios

O Nintendo DS se conecta online via a rede Wi-Fi da Nintendo, muito contestada até hoje. Pokémon Diamond/Pearl não só utilizam os recursos (limitados) online do portátil, como deve ter feito os próprios engenheiros do sistema pensar: “Caramba! Da pra fazer isso na rede Wi-Fi!!”

Quem nunca sonhou em batalhar com pessoas em qualquer lugar do mundo? Pois é, esse sonho se torna realidade nessa versão. E isso não é apenas um detalhe. Isso faz toda a diferença, porque o sistema (mesmo que baseado nos chatos Friend Codes) é muito eficiente.

Agora o cúmulo dos cúmulos é poder imaginar você anunciar que está trocando tal Pokémon por outro, ir trabalhar, escola, e quando voltar perceber que alguém do outro lado do mundo tinha o Pokémon que você queria e trocou!

A mochila está mais dividida ainda! A touch screen, mais uma vez, bem utilizada

Ta, vou explicar pra quem não entendeu ou não acreditou: Você entra no Trade Center, um prédio das primeiras cidades que você visita e então se conecta na rede Wi-Fi e coloca um Pokémon que você tem para troca. Ai escolhe por qual Pokémon você quer trocar, seleciona o nível dele, sexo e tudo mais. Entãoi você desliga seu DS, passeia, trabalha, estuda, numa boa. Depois você liga novamente o portátil online e pode ter a grande surpresa de alguém ter trocado com você! Isso tudo sem a necessidade de ficar online. Simplesmente genial!

Eu troquei uns seis Pokémons já, é muito bom porque Pokémons que vem de trocas evoluem mais rápido. E foi dessa maneira que consegui os outros dois Pokémons iniciais, ambos no level 1.
É bom lembrar que você só pode procurar por um Pokémon ou pedir em trocas, se você já tiver visto ele em sua aventura. Esse ponto é crucial para não haver desequilíbrios nem pegar Pokémons lendários no inicio do jogo (mesmo que trocá-los ainda seja o maior desafio do game!)

Sem falar no sistema da Battle Tower, que aí sim é um grande desafio! A Battle Tower só é habilitada após você vencer a liga, e lá você pode encontrar desafios com partidas com Pokémons até o lvl 50 e algumas restriçõezinhas. Coisa pra Pró, ainda não tive a chance de testar muito, mas parece realmente funcional.

É possöel jogar com a menina também! É, isso já era meio óbvio…

Considerações Finais

A curva de aprendizado de Diamond/Pearl é um pouco maior que a dos antecessores devido aos novos recursos, como a Pokétch, o modo Underground, novo sistema de Berryes, e detalhes novos.

A aventura dura cerca de 40 horas para ser encerrada a primeira vez. Mas é bom lembrar que o clímax do game começa exatamente quando você vence a Elite Four a primeira vez. Pois ai você habilita novos territórios, começa a treinar seus Pokémons absurdamente, quer pegar todos eles e ainda consegue a National Pokédex, que é a Pokédex com todos os quase 500 Pokémons que existem, para você poder passar seus bichinhos das fitas de GBA ou trocar na net. Além da compatibilidade com o Pokémon Battle Revolution de Wii, totalmente wireless.

Essa versão de Pokémon é praticamente perfeita. Para quem não curte muito a série, é uma ótima oportunidade para conhecer melhor o sistema aproveitando os recursos do DS, que parecem ter sidos feitos no molde desse game, que é completamente viciante. É sério!

Já sabe: se tiver uma das versões comente AGORA mesmo colocando seu FC para trocarmos ou jogar. Se você ainda não tem, bem, nem preciso dizer que é super recomendado né?

1 Response to “Prelúdio do Fim: Parte I”


  1. 1 Bruno Julião 15 outubro, 2008 às 8:54 am

    Boa grande Lucas! Pricnipalmente pq eu NUNCA tomo vergonha na cara pra retomar a jogatina de Pokemon… Parei beeem no início… Mas a volta será em breve!😀
    Ou pelo menos eu acho q será huahauha

    Ahhh e eu sei q é uma vergonha admitir isso, mas eu não tinha lido esse seu texto ainda hehehe


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




outubro 2008
S T Q Q S S D
« set   nov »
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  

%d blogueiros gostam disto: